Conhecida por ser cantora do grupo paulistano de samba-rock e gafieira Sandália de Prata, Ully Costa lança seu primeiro álbum Quem Sou Eu? nesta sexta-feira (19), no Sesc Pompeia.

Com participação de pesos pesados como os cubanos Yaniel Matos (cello) Pepe Cisneros (piano), do percussionista Da Lua, do baterista Curumim, de Marcelo Pretto (Barbatuques) e DJ KL Jay, dos Racionais MCs, o álbum estabelece uma ponte entre as melhores tradições e vanguardas da música negra e da MPB.

Ouça Veja Meu Lado 

Produzido por Leonardo Mendes (com co-produção de Ully), filho do cantor, compositor e pesquisador baiano Roberto Mendes, a cantora terá um grande desafio de levar ao palco o complexo trabalho, que pode ser ouvido e baixado grátis no site dela (aqui). Leia a seguir a entrevista concedida por Ully ao Virgula Música.

Quando decidiu que seu caminho seria a música? 

Todo dia eu penso nisto, porque eu comecei a cantar muito menina e nunca foi programado. As coisas foram acontecendo e eu fui levada para minha música. Sempre vivi dela. Hoje olho pra trás e tento identificar quando começou, mas sempre penso que cada coisa que eu fiz foi um começo de uma nova fase e fica bem difícil pontuar e identificar exatamente o ponto de partida.

O disco é bem complexo, como vai fazer para superar as dificuldades de executá-lo ao vivo? 

Quando comecei a pensar no show sabia que quem viesse tocar deveria ter uma certa versatilidade. O tecladista, por exemplo, toca percussão, cavaco e bateria. Estamos mantendo a essência de cada composição, acrescentando elementos que não foram gravados, adaptando os arranjos. Está ficando bem bonito. Quando a música que já foi gravada começa a ser tocada, ela naturalmente se transforma e neste caso acredito que estamos conseguindo um bom resultado.

A religiosidade é bem presente. De que maneira a fé influencia sua vida e música e pq na sua opinião é um tema recorrente, não só no seu trabalho, mas de nomes de vanguarda da nova mpb, como o Metá Metá e o Afroelectro, sem contar as tradições da cultura popular, do samba e dos afro-sambas? 

Sempre me senti tocada com tudo que tenha a ver com a religiosidade. Quando menina, eu participava daquela novenas de casa em casa, com todas aquelas pessoas cantando e rezando. Já se fazia presente em minha vida o lado sagrado da música. Estar numa roda de samba pra mim hoje tem o mesmo efeito, mesmo que seja visto como profano. 

Mais tarde passei a me interessar mais pelas manifestações religiosas afro-brasileiras, que são sempre repletas de musicalidade, quase sempre com o tambor como elemento sagrado, além dos cânticos, claro. Acho que isso tudo influencia muito a mim e muitos de minha geração, assim como influenciou aqueles que nos influenciaram, como João Bosco, Baden Powell, Vinicius (de Moraes) e muitos outros.

Qual considera o ponto alto da sua carreira até aqui? 

Tive momentos de muita emoção quando por exemplo, com o meu outro trabalho, a banda Sandália de Prata, tive a oportunidade de cantar ao lado da Elza Soares. Poder dividir o palco, a música, com essa artista fora de série foi realmente algo extraordinário. 

Agora, com certeza esse disco é o momento mais alto, aquele que vivo hoje, me realizando ainda um pouco mais como intérprete. Nele estou colocando muito do que eu acredito, minha alma está em grande parte nessa obra.

Que cantoras são modelos para você? 

Depende do meu estado de espirito (risos)… Inhana, Elisete Cardoso, Cássia Eller, Erykah Badu, Clara (Nunes), Elis (Regina).

Que efeito espera provocar nos ouvintes com sua música?

Estou muito curiosa com os possíveis efeitos do meu disco. Cantei muito do que gosto, busquei uma unidade no resultado final, mas sem paranoias de estilo. Só quero que as pessoas recebam a música de braços e mentes abertas.

SERVIÇO

Ully Costa – Quem sou Eu 

Quando: Sexta (19), às 21h, no Teatro do Sesc Pompeia. 

Classificação, 18 anos. Duração – 60 minutos. Capacidade – 356 lugares.

Quanto: R$ 4; R$ 8 e R$ 16.

Show de Lançamento do CD homônimo, disco solo de estreia, da cantora Ully Costa. Direção musical: Leonardo Mendes. Músicos: Leonardo Mendes, guitarra, violão e direção musical; Rafa Moraes (guitarra, teclado e efeitos); Luciano Campo Grande (baixo); Bruno Marques (bateria); Dalua (percussão); Ed Trombone (trombone e percussão). 

Onde: Rua Clélia, 93. Telefone para informações: (11) 3871-7700. Não há estacionamento. Para informações ligue 0800-118220 ou acesse o portal www.sescsp.org.br.

Horário de funcionamento da bilheteria – De terça a sábado das 9 às 21 horas e domingos e feriados das 9 às 19 horas (ingressos à venda em todas as unidades do Sesc). 

Veja Sapato de Ouro, do Sandália de Prata

Sem mais artigos