Deep-Purple

(Foto: divulgação) Deep Purple

O rock n’ roll tem perdido soldados importantes. David Bowie e Lemmy Kilmister se foram recentemente, e dias atrás Malcolm Young, do AC/DC. Brian Johnson, também do AC/DC, se afastou dos palcos por risco de surdez e Ozzy Osbourne anunciou sua turnê de despedida para o ano que vem. Com esses fatos, nos questionamos se o gênero está correndo perigo de extinção? Ian Gillan, vocalista do Deep Purple, responde em exclusiva ao Virgula: “Todos nós vamos morrer um dia, é uma coisa natural. Não viveremos para sempre, mas o rock n’ roll nunca sairá do mainstream“.

Pelo telefone, e com um sotaque inglês inconfundível, Ian complementa: “O que acontece é que tudo no mundo muda. As bandas dos anos sessenta e setenta mudaram, a minha voz mudou, e novos elementos surgiram e foram incluídos no rock. As perdas e os ganhos são uma questão de evolução e o rock n’ roll faz parte dela. Precisamos aceitá-la“. O cantor continua: “Não temos bandas que ocupem os lugares de Black Sabbath e Led Zeppelin, essa é a verdade. Mas, essas bandas fizeram a parte delas que foi inspirar outras a nascerem. É um ciclo”.

E como será que Ian enxerga o futuro do rock n’ roll daqui a décadas? “Hoje temos boas bandas surgindo como o Rival Sons, por exemplo. Outro dia os vi ao vivo e fiquei ‘Uau! Esses caras estão quebrando tudo’. São jovens e tem uma longa carreira pela frente. Então, acho que o rock está em boas mãos. É só uma questão de começarmos a olhar para o futuro e aceitar a nova geração“, diz ele, e emenda: “Tem outra coisa também, o rock veste muitas roupas, existem muitos tipos de rock, como o heavy metal que é gigantesco e move uma paixão que não existe igual em nenhum outro estilo“.

Só que nem tudo é visto com otimismo para o lendário vocalista: “Por outro lado, um dia eu estava assistindo a um programa inglês na TV e vi que produtores musicais estão se tornando os novos heróis da música. Então, pensei comigo mesmo: no futuro os músicos não vão tocar mais nenhum instrumento. Ou seja, desejo boa sorte para nós (risos)”.

solid_rock_55625Solid Rock

Em dezembro o Deep Purple vem ao Brasil encabeçar o festival itinerante Solid Rock, que acontecerá dia 12 na Pedreira Paulo Leminski em Curitiba, 13 no Allianz Parque, em São Paulo, e finaliza no dia 15 na Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro.

Inicialmente o Lynyrd Skynyrd faria parte do line-up, mas precisou cancelar a participação por motivos pessoais de um dos integrantes e foi substituído pelo Cheap Trick. “É claro que eu adoraria tocar com o Lynyrd Skynyrd, esses imprevistos são coisas tristes e que acontecem. Mas eu adoro o Cheap Trick. Eles são fantásticos e colocam um grande sorriso no meu rosto quando os ouço“, diz Ian. “Estou feliz de ir para a América do Sul com eles“, complementa. O Tesla também se apresenta no Solid Rock como artista convidado.

Dos shows, ele dá uma palhinha de como serão: “Um show do Deep Purple é como se a nossa história fosse contada ali no palco. Não posso lhe entregar o segredo dos nossos setlists, mas adianto que terão músicas poderosas como ‘Hush’, ‘Perfect Strangers’, ‘Smoke on The Water’, ‘Highway Star’ e várias do nosso começo de carreira. E claro, músicas do nosso novo álbum, ‘Infinite’, lançado este ano“.

Para os fãs, o inglês assegura: “Não se preocupem, aquelas músicas nossas que vocês querem ouvir e que são as suas favoritas com certeza estarão nos shows”. E tem mais: “Outro forte elemento das nossas apresentações são as improvisações. Acho que continuamos bons nisso (risos)”.

A Voz

Aos 72 anos de idade, a voz de Ian continua sendo uma das mais potentes do rock n’ roll e ele explica como consegue mantê-la: “Bem, eu canto muito. O segredo é praticar o tempo todo. As cordas vocais são iguais a um instrumento. Assim como o músico precisa treinar seus dedos na guitarra diariamente, eu também treino a minha voz“.

Porém, a idade já apresenta dificuldades para o vocalista: “Se eu cantar ‘Smoke on The Water’ seis vezes seguidas em um ensaio, cada vez a minha voz sairá de um jeito diferente. Claro que canto no tom e com o meu timbre vocal único, mas não é mais como nos anos setenta que eu conseguia reproduzir seguidamente sem se esforçar muito. Por isso que eu treino o tempo todo, para que ela saia cada vez mais igual, porque eu sei que se alguma nota sair diferente do que os fãs estão acostumados a ouvir, eles vão me crucificar”. 

Brasil

Se fizermos uma lista dos grupos internacionais que mais se apresentaram no Brasil, o nome do Deep Purple é um dos que estará no topo e segundo o vocalista, isso tem uma explicação: “Nós já tocamos no Brasil em tantas ocasiões diferentes; no sol, na chuva, em festivais, solos, em todas as circunstâncias. E guardo na memória cada vez que estive aí, porque o Brasil é um dos melhores lugares do mundo para se tocar. E não é só a minha impressão, é a do mundo todo. É um lugar único e muito, mas muito especial. Por isso sempre estamos querendo voltar“.

E não é que Ian se encanta mesmo com o tema verde e amarelo? Ele continua empolgado: “Nesses anos e nessas idas e vindas ao Brasil eu fiz muitos amigos. Também amo andar na praia, a comida tradicional e claro, o futebol que é incrível. Certa vez eu assisti a um jogo no estádio e a paixão e a energia dos brasileiros pelo futebol é tão poderosa que eu nunca vi nada parecido em nenhum outro estádio do mundo. E é a mesma paixão que levam para a música, para os shows. É uma coisa tão diferente de se sentir e eu amo isso”.

deep purple 2017

(Foto: divulgação) Deep Purple

SERVIÇO – SOLID ROCK com Deep Purple, Cheap Trick e Tesla

Curitiba

Data: Terça-feira, 12 de dezembro de 2017
Abertura dos portões: 16h
Apresentação Tesla: 19h
Apresentação Cheap Trick: 20h30
Apresentação Deep Purple: 22h30
Local: Pedreira Paulo Leminski – R. João Gava, 970 – Abranches – Curitiba – PR
Capacidade: 25.000 pessoas
Ingressos: de R$ 145 a R$ 660
Pela internet: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=SOLIRUMB
Pontos de venda: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv
Classificação etária: Não será permitida a entrada de menores de 10 anos de idade. De 10 a 15 anos: Permitida a entrada acompanhado dos pais ou responsáveis legais. A partir dos 16 anos: Permitida a entrada desacompanhados.

São Paulo

Data: Quarta-feira, 13 de dezembro de 2017
Local: Allianz Parque – Rua Turiassú, 1840 – Perdizes – São Paulo – SP
Abertura dos Portões: 16h
Apresentação Tesla: 19h
Apresentação Cheap Trick: 20h30
Apresentação Deep Purple: 22h30
Capacidade: 48.113 pessoas
Ingressos: De R$ 130 a R$ 580
Pela internet: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=SOLIRUMB
Pontos de venda: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv
Classificação etária: Não será permitida a entrada de menores de 10 anos de idade. De 10 a 15 anos: Permitida a entrada acompanhado dos pais ou responsáveis legais. A partir dos 16 anos: Permitida a entrada desacompanhados.

Rio de Janeiro

Data: Sexta-feira, 15 de dezembro de 2017.
Abertura dos portões: 16h
Apresentação Tesla: 19h30
Apresentação Cheap Trick: 21h
Apresentação Deep Purple: 23h
Local: Jeunesse Arena – Av. Embaixador Abelardo Bueno, 3401 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro – RJ
Capacidade: 13.000 pessoas
Ingressos: de R$ 125 a R$ 650
Pela internet: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=SOLIRUMB
Pontos de venda: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv
Classificação etária: Não será permitida a entrada de menores de 10 anos de idade. De 10 a 15 anos: Permitida a entrada acompanhado dos pais ou responsáveis legais. A partir dos 16 anos: Permitida a entrada desacompanhados.

Shows Internacionais no 2º semestre de 2017

2 de dezembro - São Paulo
12 de dezembro - Curitiba/ 13 de dezembro - São Paulo/ 15 de dezembro - Rio de Janeiro

Ian Gillan, do Deep Purple: 'Não viveremos para sempre, mas o rock nunca sairá do mainstream'

Sem mais artigos