Aprenda a tocar as músicas de Jair Oliveira

Baixe as músicas do cantor

“Tô gripado, com a voz fanha… Se falhar alguma coisa, tá explicado”, foi com essa frase que Jair Oliveira iniciou sua ‘pocket coletiva’, nesta terça-feira, 2 de setembro, na gravadora Trama, que montou uma estrutura interna para apresentações dos seus artistas.

Cerca de 40 pessoas, entre jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas, empanturraram-se de salgadinhos e petiscos enquanto aguardavam a apresentação do cantor e a divulgação de seu terceiro CD, “3.1”. O show começou com uma música inédita e, logo em seguida, emocionou a galera com uma canção chamada ‘Coisas fáceis’. “Me dá muita alegria lançar mais um filho”, disse, antes de soltar a voz.

Para prosseguir com o show, ele explicou que a terceira música era uma ‘crítica bem humorada às celebridades instantâneas’. “Todo mundo famoso” fala sobre como é fácil ser famoso hoje em dia. “Não fala da fama em si, como consequência de algum
trabalho importante. Na época do meu pai, a fama era consequência do talento. Tem gente que pensa o contrário, busca a fama e depois decide o que vai ser”, contou durante a coletiva de imprensa. “Reality show simboliza a busca da fama pela fama”, remendou. Mas, por incrível que pareça, ele não buscou inspiração para compor esta canção nos realitys. A idéia veio quando leu ‘Ensaio sobre a Cegueira’, de José Saramago. “No livro, fica todo mundo cego. Na minha música, e se fosse todo mundo famoso?”, concluiu.

Quem pensava que o palco ficaria composto apenas por Jair, Zé Alexandre (baixo acústico) e Turquinho Filho (bateria), se enganou!! A dupla Caju e Castanha cantarolou ao lado do músico e deixou a galera arrepiada. O nome da música? ‘Arrepios’. “Eu estava assistindo a um show do meu pai e o vi cantando a música ‘Arrastão’, ele e o piano. Aquilo me deixou arrepiado e comecei a compor a música naquele momento”, conta Jair.

Depois de arrepiar o pequeno, mas animado público, Jair começou uma rasgação de seda… mas não foi à toa, não! Ele chamou ao palco ninguém mais, ninguém menos que Tom Zé, que o acompanhou em uma canção improvisada. Logo depois, Tom Zé desceu, sentou-se em uma cadeirinha (em nossa frente) e ficou batendo o pézinho com o ritmo da música. O cara tava tão escondido, que quando Jair se dirigiu a ele, do palco, retrucou: “Ah, você tava me vendo aqui? Tava escondido!” .

Jair contou a importância das parcerias nesse terceiro álbum. “No meu disco anterior o Ed Motta participou. Achei muito legal e, por isso, nesse convidei outros nomes para fazerem parte do meu trabalho, como por exemplo: Tom Zé, Caju e Castanha, Otto, entre outros. Eu acho que essas parcerias só contribuem para um trabalho melhor, pois com cada um é diferente”, conta.

Sobre “3.1”, ressaltou que é apenas um álbum de vários a seguir. “É mais um disco. Esse é o meu terceiro CD. O 1º rola a ansiedade, o 2º tem aquele lance de se reafirmar e o 3º surge mais tranquilamente. Não vejo o fechamento de uma trilogia”.

Na coletiva, Jair dissertou sobre alguns assuntos:

-Mistura da música brasileira com a eletrônica;
“Todos os meus discos têm essa mistura. Utilizo acústica e eletrônica”.

-Black Music;
“Quando faço música, não penso se ela é black, vermelha, rosa, amarela… Sou um artista negro e não me agarro ‘a estas coisas”

-Parceria com Otto;
“A música que eu fiz com o Otto foi totalmente de improviso, em Lisboa. Tava todo mundo com fome e fizemos o ‘Fome Danada’, enquanto caminhávamos do hotel para o restaurante.

-Parceria com Tom Zé
“Essa canção surgiu de visitas na casa de Tom Zé. “Gravamos em uma fita. Tom Zé me mandou a idéia de uma letra e eu a terminei em casa, né Tom?”.

-Amor;
“Acabei falando menos de amor nesse CD porque outros temas me chamaram mais a atenção. Por isso é o disco que menos fala de amor”.

-Medo;
“Tenho medo da disparidade social, que desencadeia a violência. A distribuição injusta de renda é um problema que gera outros.”

-Música afro-brasileira;
“Mantenho as raízes do samba no meu trabalho”

-Ciclos;
“Esse disco não é o fechamento de um ciclo. O primeiro era ansiedade, o segundo, a necessidade de se reafirmar. Acho que esse é o mais tranquilo”.

-Músicas que fazem sucesso nas rádios;
“Não me torno escravo do compromisso com a rádio”.

-Ser escritor;
“Penso em escrever um livro. Tom Zé disse, uma vez pra mim, que pra ser respeitado no Brasil, você tem que escrever um livro. Fiquei com aquilo na cabeça…”

Sem mais artigos