Na última quarta-feira, a promotoria terminou de apresentar as acusações contra Michael Jackson. Diante disso, a defesa do cantor pediu para que o julgamento fosse interrompido naquele ponto e Jackson absolvido. O juiz Rodney Melville descartou essa possibilidade.

Os advogados de Jackson haviam argumentado que a promotoria não tinha conseguido provar sua acusação e que as testemunhas tinham uma “tendência para auto-destruição”.

AHoje a segunda parte do julgamento já começou. As testemunhas de defesa começam a se apresentar hoje. A primeira delas, o bailarino Wade J. Robson, disse que conhece Jackson desde os 5 anos e que ficou no rancho do cantor mais de 20 vezes. Ele dormiu no quarto de Jackson em todas as vezes, com exceção de três ou quatro, ele disse. Os dois jogavam vídeo games, assistiam a filmes, conversavam e, às vezes, faziam guerras de travesseiros. Robson, de 22 anos, disse que Jackson nunca o tocou de maneira inadequada ou com intenções sexuais.

O promotor Tom Sneddon intimou 85 testemunhas e mais 500 provas no processo para comprovar que Jackson molestou um garoto de 13 anos, logo após ter embriagado a vítima. A promotoria também acusa o pop star de ter tentado manter o garoto e sua família como reféns.

Sneddon ainda incluiu no processo outras acusações contra o cantor, sugerindo que Michael Jackson possuía um histórico, iniciado mais de dez anos atrás, de abuso sexual contra meninos. O cantor, porém, nunca havia sido acusado de qualquer crime.

Sem mais artigos