O superstar norte-americano Michael Jackson fez um passeio pela sede do Parlamento britânico na sexta-feira e disse que o local, um palácio em estilo gótico, é “um milagre”.

“Quero isso”, disse a lenda viva do pop aos acompanhantes que o cercavam, enquanto admirava o trono dourado no qual a rainha Elizabeth se senta uma vez por ano para abrir formalmente os trabalhos anuais da Câmara dos Lordes.

“Será que dá para levar até a fazenda?”, indagou um de seus assistentes a três guarda-costas fortões.

Acompanhado pelo mágico David Blaine e o paranormal Uri Geller, Michael Jackson fez uma visita-relâmpago a Westminster durante sua breve viagem à Grã-Bretanha, durante a qual expressou o desejo de conhecer “a mãe de todos os Parlamentos”.

Jackson e Blaine manifestaram interesse especial pela ampla biblioteca da Câmara dos Lordes. “Será que tem histórias em quadrinhos?”, indagou Jackson. Enquanto isso, David Blaine pediu aos bibliotecários que procurassem um exemplar de um livro de magia escrito há 400 anos, “The Discovery of Witchcraft” (“A Descoberta da Bruxaria”). “A maior parte dos exemplares foi queimada”, explicou.

Os guias mostraram a Michael Jackson uma estátua de Winston Churchill, o primeiro-ministro britânico durante a 2a. Guerra Mundial, uma tela imensa retratando a morte do herói naval almirante Nelson e o mandato original de execução do rei Charles 1o.

“É incrível. É um milagre”, repetia o cantor, que usava smoking preto com gola prateada. “O que me impressionou mais foi a arquitetura.”

O cantor também parou para admirar o Big Ben. David Blaine, que recentemente saltou de uma coluna de 24 metros sobre a qual passou quase 35 horas em pé, na Quinta Avenida de Nova York, disse que gostaria de subir no grande relógio de Westminster.

Jackson, Blaine e Uri Geller viajam mais tarde para a cidade de Exeter, no sudoeste da Inglaterra, para participar de um evento beneficente para crianças organizado pelo clube de futebol local, do qual Geller é diretor.

Sem mais artigos