“Eles já têm uma certa idade, então vamos respeitar os pedidos”. A recomendação da produção do Black Sabbath em relação a fotos e outros detalhes até arrancou gargalhadas dos jornalistas que participaram da coletiva da banda. Mas a tarde desta terça-feira no Hotel Fasano, em Ipanema, Rio, também teve seu momento triste, quando anunciaram que o guitarrista Tony Iommi não poderia participar por estar se sentindo mal. Acompanhado por médicos, ele preferiu se resguardar para a maratona de shows, que no Brasil acontecem nesta quarta-feira em Porto Alegre; sexta em São Paulo; domingo no Rio; e Belo Horizonte, na terça-feira, dia 15. Tony está se tratando de um câncer linfático.

A conversa foi com os, digamos, experientes Ozzy Osbourne (vocais) e Geezer Butler (baixo), que começaram falando da nova turmê Reunion e também aproveitaram para divulgar o lançamento do DVD Black Sabbath: Live… Gathered in their masses, que será lançado dia 26 de novembro. “A recepção tem sido inacreditável, já tocamos no Chile e na Argentina e pudemos sentir a empolgação do público”, disse Ozzy, usando seuss óculos escuros redondos. “É muito bom voltar a tocar três, quatro músicas inéditas, coisa que não fazíamos há 35 anos”, diz Geezer.

Se há quatro décadas o estilo de vida dos integrantes da banda de heavy metal era profundamente “sex, drugs and rock and roll”, agora Geezer entrega: “Só no chazinho, Coca-cola e, depois das apresentações, direto para o quarto de hotel”, brinca.

Aliás, o assunto das drogas veio à tona em diversos momentos da entrevista, mas sempre com o verbo devidamente situado no passado. Como quando Ozzy falou sobre a gravação do novo álbum, que marca a volta da formação original do grupo – com exceção do baterista Bill Ward – depois de anos de brigas, processos e bate-bocas.

“Antigamente nós gravávamos completamente drogados. Neste disco não, todos tiveram espaço para opinar e participar”. Sobre a substituição de Bill, Geezer disse que o trabalho fluiu muito bem. “Tommy (Clufeto) já tinha um trabalho na banda de Ozzy e Brad (Wilk, do Rage Against the Machine) foi indicado pelo Rick (Rubin, produtor) e foi uma ótima experiência”, afirma. “É uma pena Bill não estar na turnê, mas estamos felizes com a formação”, comenta Ozzy.

Ainda surpresos com a recepção do álbum – que alcançou primeiro lugar em mais de 50 países – Ozzy e Geezer contam que, por não saber ao certo por quanto tempo ficariam em turnê, resolveram registrar o DVD logo nos primeiros shows, na Austrália. Gravações no Brasil estão descartadas: “É um processo muito complicado”, desculpa-se Geezer.

Sobre as vaias que Ozzy recebeu no show da Argentina por ter se abraçado a uma bandeira brasileira, Geezer disse que não se lembrava direito do fato, mas Ozzy falou que “foi um erro, mas que isso não foi importante pois não temos barreiras mundiais”.

Uma das últimas perguntas da tarde trouxe de volta a temática que não desgruda da banda. Sobre qual teria sido a melhor coisa que aconteceu para os dois dentro da trajetória do Black Sabbath, Ozzy não titubeou: “A melhor foi descobrir o LSD. E a pior foi ter usado…”. Geezer apenas concordou.

Veja o possível setlist dos shows no Brasil:

1. War Pigs
2. Into the Void
3. Under the Sun/Every Day Comes and Goes
4. Snowblind
5. Age of Reason
6. Black Sabbath
7. Behind the Wall of Sleep
8. N.I.B.
9. End of the Beginning
10. Fairies Wear Boots
11. Rat Salad
12. Iron Man
13. God Is Dead?
14. Dirty Women
15. Children of the Grave

Bis:

16 Paranoid

Sem mais artigos