Eu ainda me lembro da primeira vez que ouvi falar do Teatro Mágico. Na época, a banda fazia pequenas apresentações em Osasco, cidade da região metropolitana de São Paulo.

De lá para cá, a trupe ganhou muitos fãs, lançou dois álbuns independentes – Entrada Para Raros e Segundo Ato -, um DVD, teve mais de um milhão de downloads e mais de cinco milhões de transmissões de músicas dos seus dois CDs, nos sites Trama Virtual e Palco MP3.

O Teatro Mágico completa sete anos de estrada em 2010. Para comemorar, o líder da trupe Fernando Anitelli, convidou a banda brasiliense Móveis Colônias de Acaju para um show especial. A festa acontece nesse sábado (4), no Espaço Lux, em São Bernardo do Campo.

O Virgula Música entrevistou Fernando Anitelli, fundador e vocalista do grupo, para descobrir qual o segredode manter uma banda independente por sete anos no complicado mercado musical: “Para manter um bom trabalho é preciso uma combinação de coisas. A mais importante é ser honesto com o seu público e com a sua própria obra”.

“Nosso desafio é misturar teatro e circo com música. Você não pode se acomodar no que já fez, o segredo é estar constantemente incomodado para não fazer mais do mesmo. É o que tenho visto muito no cenário da música no Brasil, algumas bandas com dez, vinte anos de estrada que fazem cover de si mesmos”, explica Fernando.

SWU: botando a boca no trombone

O Teatro Mágico foi convidado para abrir o palco principal no segundo dia do festival SWU, que rolou em outubro no interior de São Paulo. Na visão de Fernando esse foi um enorme passo para uma banda brasileira sem selo ou gravadora. “O Teatro Mágico foi a única banda independente a tocar no palco principal e também a única que falou sobre o MST, sustentabilidade e agricultura familiar durante o show [obs. do editor: Rage Agasint The Machine também falou do MST]. Nós não somos uma banda de rock e botamos a boca no trombone”, conta o músico.

Música é pra ser baixada!

Após sete anos de propostas das maiores gravadoras do Brasil, o Teatro continua a divulgação de seu trabalho usando a internet como sua maior promotora. A trupe é a precursora do movimento MPB – Música Para Baixar – deixando seus todos os álbuns disponíveis para download no site oficial da banda.

“A gente não paga pra tocar na rádio, pra ir a um programa de TV ou ter nossa música na trilha sonora de uma novela”, conta Anitelli. “A internet tem um poder muito grande e não é do interesse de muita gente que todas as pessoas tenham acesso a isso. Se todo mundo tivesse acesso a internet, os outros meios de comunicação já não existiriam mais. A internet é livre por ser um espaço em que não é preciso pagar jabá para mostrar o seu trabalho e cada um escolhe o que quer ver e ouvir”, enfatiza.

“Terceiro Ato”

O primeiro álbum do TM, Entrada Para Raros, foi lançado em 2003. O disco seguinte, intitulado Segundo Ato, saiu em 2008. Desde então, a banda está sem lançar nada, porém os fãs podem esperar novidades para o próximo ano: “Nós já temos 17 músicas para o terceiro álbum. Estamos ensaiando, escolhendo o que vai entrar e o que não vai, compondo e misturando”.

Eu Não Sei Na Verdade Quem Sou é uma música que a gente já fez nos shows e fala um pouco sobre o trabalho dos Doutores da Alegria, essa vai estar no CD com toda certeza. Folia no Meu Quarto, outra música que os fãs também já conhecem, deve entrar no álbum também”, revela Fernando.

Ainda sem nome definido, o terceiro álbum deve misturar o lado lúdico do Entrada Para Raros, mas mantendo o cunho sério e político do Segundo Ato. A previsão é que o álbum seja lançado em junho de 2010.

Fernando Anitelli Trio

Além do novo álbum da trupe, Fernando está trabalhando em um projeto paralelo intitulado Fernando Anitelli Trio. “Esse projeto é focado somente na música e em suas letras. Tem um baixo e uma bateria bem trabalhos, com uma pegada bem mais jazz”, conta o músico.

“É um projeto muito mais introspectivo, revisitamos as músicas do Teatro, mas não terá encenação e coisas assim nos shows”, explica. O álbum, que leva o nome do projeto, já está em processo de edição e deve ser lançado no começo de 2011.

Teatro Colonial e Móveis Mágicos de Acaju

Duas bandas independentes, que vendem CDs a preços simbólicos nos shows e usam a internet como a maior plataforma de divulgação de seu trabalho. Essas são as características que unem Móveis Coloniais de Acaju e Teatro Mágico em um só palco.

Para Fernando, há muitas diferenças entre o som que as bandas fazem, porém o que as aproxima é um tipo de música “alegre”. “Ambas tem uma maneira de incendiar o palco e o público, fazer um show interativo e gerar uma catarse na plateia. A nossa música é feliz e pra cima assim como a deles, sem deixar de ser séria. E por mais que o nosso som seja diferente, quando juntamos tudo numa coisa só dá uma combinação perfeita”, afirma Anitelli.

Qual sua música preferida da banda Móveis Colônias de Acaju? Sem pensar duas vezes, Anitelli responde: “O Tempo”.

Teatro Mágico e Móveis Coloniais de Acaju

Onde: Espaço Lux – Rua Antonio Luiz Valerio, 93 – São Bernardo do Campo
Quando: Sábado, 4/12, às 20h
Quanto: De R$ 25 a R$ 50
Informações: Teatro Mágico

Sem mais artigos