2013 foi um ótimo ano para Robin Thicke — pelo menos em relação aos números. A música Blurred Lines foi um indiscutivel sucesso esse ano, entretanto ela não conseguiu agradar a todos. Acusações de referências a estupros em sua letra e o seu clipe alegadamente machista foram alvos de críticas, principalmente vindas de grupos feministas.

Para coroar a má imagem da música, o grupo britânico End Violence Against Women Coalition concedeu a Thicke o honrável prêmio de Sexista do Ano. “Os nossos parabéns do fundo do coração para o digno vencedor Robin Thicke, por seus esforços combinados para o sexismo e para a plataforma que ele criou de rejeição do uso das mulheres como objeto para promover um pop medíocre”, dosse Sarah Green, representante do grupo.

Blurred Lines te ve a participação de T. I. e Pharrel Willians, e foi composta pelos dois e por Thicke. Pharrel também foi o responsável pela produção da faixa. A música ficou por 12 semanas no topo da parada HOT 100 da Billboard e, de acordo com a Official Charts Company, da Inglaterra, foi o single mais vendido do ano, com 1,44 milhão de cópias. 

Como “prêmio”, a entidade pretende mandar a Thicke um voucher para que ele possa fazer o download da música Respect, da diva Soul Aretha Franklin. “R-E-S-P-E-C-T / Find out what it means to me”, ela canta na música de 1967.

 

Sem mais artigos