Red Hot

Paixão/I Hate Flash Red Hot

Ao som do Red Hot Chili Peppers, o Rock in Rio terminou neste domingo. A organização do festival anunciou à tarde que está confirmada a edição de 2019 no Brasil. Em 2018, o Rock in Rio desembarca pela oitava vez em Lisboa (Portugal), onde acontece desde 2004.

O Capital Inicial abriu a última noite de Rock in Rio 2017 em grande estilo no Palco Mundo. A banda apresentou seus maiores sucessos e ainda homenageou os Raimundos com a música Mulher de Fases. Protestos políticos também marcaram o show com as músicas Que País é Esse e Veraneio Vascaína.

O hardcore do Offspring sacudiu a Cidade do Rock com o segundo show da noite deste domingo no palco Mundo. A banda retribuiu o carinho dos fãs durante o show. “Vocês são a melhor plateia do mundo”, disse o vocalista Dexter Holland.

O 30 Seconds to Mars surpreendeu ao levar o cantor brasileiro Projota ao palco para cantar “Foco, força e fé”. Logo na abertura, o vocalista Jared Leto apareceu tomando açaí no pote e ainda elogiou a comida brasileira. O cantor chamou atenção também pelo visual bem colorido de suas roupas. O artista repetiu o show de 2013 e andou na tirolesa, levando os fãs ao delírio. No encerramento, Jared levou um grupo de fãs para o palco.

Coube ao Red Hot Chili Peppers a honra de encerrar a edição 2017 do Rock in Rio. E a banda californiana levantou o público na Cidade do Rock tocando seus maiores clássicos como Californication, Under the Bridge, By the Way e Give it Away.

Os fogos iluminaram o céu da Cidade do Rock com a música tema do Rock in Rio pela última vez em 2017 e, no telão do Palco Mundo, o festival agradeceu ao público e anunciou a edição de 2019. Uma linda despedida aplaudida pelos visitantes que ainda estavam em peso no gramado do parque.

Sunset é rock e metal 

No Palco Sunset, a plateia do show do Doctor Pheabes com Supla aproveitou a apresentação sentada na grama. Os artistas tocaram clássicos como “Imagine”, dos Beatles, mas foi na hora da Japa Girl, marca registrada de Supla, que o público todo se levantou para curtir.

A banda Ego Kill Talent foi a terceira a ter um tradutor em libras para reproduzir as músicas e, desta vez, a ação durou o show inteiro. As bandas Johnny Hooker e Baiana System já utilizaram a ferramenta para algumas músicas, durante esta edição do Festival.

A banda Republica levou a violinista Iva Giracca, spalla da Orquestra Sinfônica de Santa Catarina, para o palco, dando notas mais suaves ao heavy metal da banda.

O Sepultura encerrou os shows no palco Sunset na edição de 2017 do festival com uma apresentação inesquecível. O espaço ficou lotado de fãs do metal e da banda, que é a principal do país no segmento. A performance ficou ainda mais especial com a participação da Família Lima. Derrick Green, vocalista da banda, mostrou que segue no auge e impulsionou o show e movimentou o público.

Phatom Self, I am the Enemy e Refuse/Resist foram sucessos que arrebentaram na edição deste domingo. Supla não resistiu ao clima de euforia e se jogou no meio do público.

Sem mais artigos