“Hoje estou do outro lado do vidro”, constatava André Kbelo, guitarrista do DLC, técnico de som e um dos sócios do estúdio Family Mob, na Lapa, em São Paulo, logo após uma sessão de gravação da música Furacões

De última hora, graças a um artista que faltou, sua banda se juntou a Projetonave, Veronica Kills e Milocovik, entre outros selecionados para o projeto Converse Rubber Tracks, em que as bandas passaram um dia no estúdio e ao fim da sessão puderam levar as gravações ou uma música pronta, após ser mixada. O Projetonave, por exemplo, grupo de hip hop instrumental, optou por gravar 12 músicas. 

Projetonave  e Emicida – Até o Fim Sampa

Sobre a luta pela sobreviência de uma banda hoje, Kbelo defende que “a maior dificuldade é a cultural”. “O cara paga R$ 300 para ver um músico estrangeiro e pede ingresso para você de um show que custa R$ 10. A gente vai ter que mudar isso de alguma maneira, mas tem que partir da gente também. Juntar as pessoas, gerar interesse. Fazer e não comunicar não adianta nada. A música fica sem função”, argumenta.

Já na Red Bull Station, projeto de outra marca que também envolveu em estúdios de gravação, o técnico responsável e engeheiro de som Rodrigo Carvalho Costa, o Funai, mostrou à reportagem do Virgula Música a sala projetada por um espanhol e a mesa de gravação analógica SSL, “vedete” do estúdio.

“Com mesa analógica igual a essa é um outro jeito de pensar, apesar da gente gravar digital, não chegamos a gravar em fita aqui, tem todo um outro jeito de pensar. Essa coisa do estúdio que tem a sala meio separada, para você gravar meio ao vivo. E a galera trabalha, às vezes, muito em cima do computador, quando você está no home estúdio. Aqui, a gente trabalha muito mais em cima da mesa”, afirma Funai.

O técnico responsável pelo estúdio da Red Bull fala ainda sobre o aspecto “visual” que a produção de música tomou hoje. “Eu brinco sempre, quando a gente está gravando com os caras, o pessoal que é mais acostumado com essa onda mais para o eletrônico, aí eles ficam ali olhando para tela: ‘Mas deixa eu ver se a guitarra está no lugar certo’, eu falo: ‘Tenta escutar´. A música virou um negócio visual. A pessoa que trabalha muito no computador, acaba perdendo a coisa musical. A mesa é legal que recupera isso, que é diferente”, opina.

Funai conta que a gravação da banda INKY: “Foi bem legal, a gente teve bastante tempo de tirar som, gravei junto com o Rodrigo Coelho, que foi produtor.

INKY – Baião

Também passaram pelo estúdio, inaugurado junto com o Red Bull Station, no ano passado, artistas como Caetano Veloso, Tom Zé, Baby, MC Guimê, Emicida e Rael.

Nos lados do Converse Rubber Tracks, Kbelo destaca o fato de propiciar não apenas o acesso ao estúdio, mas também a “engenheiro de som de primeira”. “Eles fazem esse projeto em vários lugares do mundo, mas em um país como o nosso que é tão carente de cena, o próprio acesso a um grande estúdio não é uma coisa barata, fácil de você ter. E as bandas, eu posso falar porque eu estou ajudando o Hector (Castillo) todos os dias, eu vejo a reação e a felicidade das pessoas que estão vindo”, afirma.

Hector trabalhou como engenheiro de som de nomes como Philip Glass, Bjork, Lou Reed e David Bowie. “Quando vem um cara desse nível e a gente pode ficar pertinho e sacar as coisas que ele mexe. Ou o que ele não mexe, você está aprendendo”, relata Kblelo.

O músico e técnico detalha um pouco do processo: “Nesse projeto você pode levar tudo embora, ele mixa e música e você leva a sessão aberta, com todos os plug-ins que o cara usou, como ele comprimiu, como ele ‘gateou’, como botou reverb. Enfim, é uma escola em todos os sentidos”, diz.

Sobre Hector, Kblelo garante ter ficado de olho na maneira como ele trabalha. “O approach com o que ele conversa com músico, a forma como ele deixa o músico interagir, se ele limita ou o que não limita. São observações, na verdade. Ele não está te ensinando o que fazer, também não nega nada, o que você perguntar, ele te ensina, explica.”

O Converse Rubber Tracks passou por Rio e São Paulo, em fevereiro. Na capital paulista, foram gravadas as seguintes bandas: Bratislava, Veronica Kills, Soldado Marimbondo, White Conch, Le Blanche, Churrasco Elétrico, Coyotes, Projetonave, magüeRbeS, Single Parents, DLC, Milocovik, Télema, Ronca.

Já no Rio, passaram pelo estúdio Toca do Bandido os grupos Nove Zero Nove, Kapitu, Ultraleve, Sent U Feelin’, Combo S/A, Canto Cego, Pessoal da Nasa, Stereophant, Quarto do L, The Outs, Ventre, Rodrigo Drade, Hell Oh! e Rockted. Aguarde notícias sobre eles.

Na Red Bull Station, por sua vez, o foco é a formação de artistas, especialmente devido à Red Bull Music Academy. Eles não patrocinam, mas viabilizam projetos. Fazem curadoria em palcos de festivais, como no Sónar, promovem intercâmbio entre artistas que participaram das academias.

Os dois últimos brasileiros que passaram pela academia foram Carrot Green (RJ) e Rodrigo Coelho, o Grass Mass (PE). De 29 de abril a 1º de maior, o Red Bull Studio recebe o primeiro workshop do programa Som Expandido, uma série de oito encontros gratuitos sobre produção musical que acontecerão ao longo do ano. Os convidados são os produtores Rodrigo Coelho e Arto Lindsay. 

No workshop de três dias, com dez vagas, eles falam sobre arranjo, técnicas de microfonação, sintetizadores, camadas de efeitos e direção de voz.

Nos outros encontros, os convidados são os DJs Zegon e Gui Boratto, o artista, músico e compositor Dudu Tsuda, o produtor Dudu Marote e o compositor e produtor de trilha sonora para cinema, Antônio Alves Pinto.

Arto Lindsay é artista, compositor, produtor e performer, gravou onze discos solo e diversos outros com as bandas DNA, Lounge Lizards, Golden Palominos e Ambitious Lovers. Produziu discos e faixas de Caetano Veloso, Marisa Monte, Laurie Anderson, David Byrne, entre outros.

Rodrigo Coelho é produtor, compositor e designer de som, acumula trabalhos com Naná Vasconcelos, Arto Lindsay, INKY, Knox, Cassady e trilhas para filmes como o longa Paraísos Artificiais. Seu projeto experimental eletrônico grassmass foi indicado para o Red Bull Music Academy NYC 2013. Coelho é idealizador do selo UIVO, que tem como foco apresentar novas texturas sonoras do Brasil para o mercado internacional.

Veja os próximos workshops confirmados:

Técnicas de mixagem com Maurício Cersosimo, dias 21 e 22 de maio;

Produção de Bass Music com Tropkillaz, dias 9 e 10 de junho;

Performance audiovisual com Dudu Tsuda, de 1 a 5 de julho;

Produção de Música Eletrônica com Gui Boratto, dias 6 e 7 de agosto;

Produção de trilha sonora com Antônio Alves Pinto, de 15 a 25 de setembro

SERVIÇO

Workshop sobre produção musical com Arto Lindsay e Rodrigo Coelho

De 29 de abril a 1o

Gratuito, 10 vagas. Inscrições pelo site: redbull.com.br/somexpandido

Red Bull Studio – Praça da Bandeira, 137, Centro, SP

de maio, das 10h às 20h

 

 

Sem mais artigos