Tetine

Divulgação Tetine

Os 20 anos da dupla Tetine, dos músicos e artistas Eliete Mejorado e Bruno Verner, serão celebrados em três momentos na semana que vem, em São Paulo. Os brasileiros radicados em Londres, certamente entre os principais nomes da música eletrônica e da arte brasileira em todos os tempos, apresentam na segunda (27), às 19h, a performance inédita The 4th World.

Sci-fi filosófico-experimental-ecológico para duas projeções em grande escala e música eletrônica ao vivo concebido como um “filme-performance-essay”, The 4th World será apresentada dentro da programação da décima edição da mostra audiovisual ON_OFF, no Itaú Cultural, com entrada grátis. Neste sábado, também dentro da mostra, eles ministram uma palestra, às 14h.

Veja vídeo de Dream Like a Baby

Por fim, na sexta (31), eles ocupam o palco do Sesc Vila Mariana para o show Independência ou La Mort acompanhados pela mítica Maria Alcina e pelo ícone do futuro Jaloo, às 21h. Veja a entrevista que nós fizemos com Eliete e Bruno, que sob o nome de Tetine lançaram 15 álbuns e singles por diferentes gravadoras do Brasil e Europa e acumularam uma vasta obra videográfica e e exposições apresentadas nos seus shows e performances em festivais, galerias de arte, clubes, museus, cinemas e teatros ao redor do mundo.

Virgula – Eliete e Bruno, falem sobre a expectativa da turnê?
Tetine – Vamos começar falando do The 4th World…. tem sido super intenso esses últimos meses. Estamos praticamente trabalhando há três meses sem parar nesse projeto. São 50 minutos de reflexões existenciais, sociais, políticas, filosóficas, ecológicas… trata-se de um filme-essay que será exibido em um formato de performance com música original sobre duas projeções e manipulações de audio ao vivo. Ficamos muito felizes com o convite do Lucas Bambozzi para mostrarmos esse projeto no ON_OFF.

Durante o processo de criação do filme mexemos com temas doloridos pra gente e questões polêmicas. Muita coisa pode te deixar sem dormir se você está ligado na mesma história. Enfim esse nosso “quarto mundo” é uma continuação do que já estávamos falando desde o disco In Loveland With You de 2013. Quem te colocou nessa prisão? Pensamos muito nas crianças e no futuro. Alguns desses assuntos ficaram ainda mais fortes pra gente hoje. A impossibilidade de uma hospitalidade. A impossibilidade do presente. O presente-perpetuo como futuro, a depressão como regra e a rara solidariedade entre os indivíduos numa sociedade produtiva e capitalista. The 4th World fala disso. E é agora. Estamos muito orgulhosos com o resultado.

Ouça Tetine: 

No show do Sesc, estaremos celebrando os 20 anos do Tetine. Vão ter participações especialíssimas da amada Maria Alcina e do talentoso Jaloo. Vai ser bonito e vamos tocar muita coisa de fases diferentes desses 20 anos. Estamos bem animados e mexendo em faixas que ha tempos nāo ensaiávamos. Foi bem difícil escolher o repertório! Na verdade precisaríamos de uns 6 shows pra apresentar todas as musicas que tinhamos na cabeça. Tipo cada dia um disco :-).

O que mais gostam e indicam do que tem visto de música por aí?
Tetine – Gostamos muito do Mykky Blanco e da Fatima Al Qadiri mas pra te falar a verdade nos últimos meses temos ouvido muito Robert Wyatt e Nico …

Virgula – O que sente que mudou e ficou igual na cena que vocês estão inseridos após 20 anos e em relação às expectativas que vocês mesmos criam em relação ao trabalho?
Tetine – 20 anos atrás a internet ainda estava começando no Brasil… o underground existia localmente. Era muito difícil vc conseguir tocar em outras cidades. Tudo era mais local e menos gentrificado. Hoje tudo nesse sentido é mais fácil, mas essa esfera que estou chamando de “underground” como conhecíamos não existe mais. A dificuldade do acesso dava um status “cool” pro artista, pra banda, pro filme, pro fanzine, pra roupa… a subcultura era resistência. Hoje eu acho que a grande mídia e as brands encapam as resistências. Tudo fica com o mesmo verniz impossibilitando de se sentir a essência. Mas as vezes você esbarra com artista geniais e a coisa vira um colírio pro seus olhos, um milagre. Eu acho que tem muita gente incrível perdida no meio dessa confusão toda fazendo coisas bonitas e explorando ingredientes políticos, sociais, sexuais e raciais que ainda não foram colonizados.

Me sinto muito privilegiada de estar fazendo isso ainda hoje. Vejo o Tetine como um filho. Já passou por todas as fases, já caíram os dentes, ja foi superpopular, virou adolescente louco, deprimiu, amadureceu, caiu nas drogas, fez withdrawal e ainda ta aqui dando as caras. Sinceramente não me arrependo de nenhuma dessas fases. O meu (e o do Bruno) mais sincero output criativo esta ali, doa a quem doer :-)

SERVIÇO

The 4th World (palestra). Sala Vermelha, ON_OFF Itaú Cultural. Sábado (25), 14h. Grátis
The 4th World/ An animal with the demand to make choices (performance). Segunda, 19h – ON_OFF Auditório, Itaú Cultural. Grátis
Tetine apresenta Independência ou La Mort com participações de Maria Alcina e Jaloo. Sexta, às 21h,no Teatro do Sesc Vila Mariana.
Site: www.tetine.net

Sem mais artigos