No próximo dia 22 de abril, estréa o novo clipe da banda The Strokes, “Modern Age” no canal MTV. Este mês o grupo ainda recebe um destaque na revista “New Musical Express” como o 17º artista que mais influenciarão as publicações.

A banda composta por composta por Julian Casablancas (vocal), Nick Valensi (guitarra), Albert Hammond Jr. (guitarra), Nikolai Fraiture (baixo) e o brasileiro Fabrizio Moretti (bateria) lançou seu primeiro disco, “Is this it”, em 2001.

“Is this it” foi eleito álbum do ano pelas revistas “Time”, “New York Magazine”, “Entertainment Weekly”, “New Musical Express”, “Q Magazine” e “OOR”. Em 2002, a banda recebeu o Brit Award de melhor revelação internacional.

Um disco que, além do sucesso, causou polêmica. Primeiro por causa da capa, que mostrava a foto de um quadril feminino nu, substituída nos EUA por uma ilustração abstrata. Depois foi a retirada da música “NYC cops”, cuja letra foi considerada de mau gosto devido ao então recente atentado terrorista que destruiu as torres gêmeas do World Trade Center, em Nova York, e foi substituída pela canção “When It Started”.

Na última semana, o jornal “New York Times” publicou uma matéria afirmando que a banda era a responsável pelo ressurgimento do rock alternativo. “Há muitos motivos para adorar os Strokes: eles compõem músicas simples e divertidas que, ao mesmo tempo, soam angustiadas e entediadas. E seu álbum de estréia foi um dos melhores de 2001. Entretanto, eles fazem rock alternativo da maneira mais conservadora. (…) Ninguém nega que “Is this it” faz um tributo a 25 anos de punk e pós-punk. Enquanto alguns artistas atraem milhões de fãs ao tentar algo novo, The Strokes oferece nostalgia com estilo para o deleite de um público de elite. (…) Bandas como The Strokes são o equivalente da TV pública no rock ‘n’ roll: elas oferecem uma alternativa ao mundo caótico da cultura pop americana”, dizia o jornal.

Sem mais artigos