JuPat por Anna Júlia Santos

JuPat começou sua história com o rap no início dos anos 2000, em Piracicaba, interior de São Paulo, quando, com mais quatro amigos, descobriu que podia fazer música no PC de casa. Criaram, então, o grupo ThePhin.

Ao lado do coletivo Sempre apresentaram-se em espaços culturais de Piracicaba e São Paulo e fizeram barulho na internet.

Este ano, a artista iniciou sua carreira solo apresentando Transe. O single, acompanhado de videoclipe, antecipava a estreia de seu primeiro álbum, Toda Mulher Nasce Chovendo.

Com produção de Rasec e “alquimia final” de Pipo Pegoraro, o disco, que registra seu processo de transição de gênero, é permeado pela chuva como símbolo da transformação de um estado físico para outro.

O que você buscou em seu primeiro álbum?
JuPat – Na verdade, acho que foi o disco que me buscou e eu deixei ver onde ia dar. Ele surgiu de uma necessidade puramente pessoal e existencial, de colocar pra fora o que tava transbordando e registrar o momento intenso de transformações que eu estava vivendo.

Toda Mulher Nasce Chovendo é uma busca beauvoiriana do que significa não nascer mulher, se tornar mulher, permeada por muita chuva, por que a chuva é a bênção, o símbolo dessa transformação de um estado físico em outro, resultando em uma catarse, um escândalo, um fenômeno natural que mexe na rotina de uma cidade e deixa todo mundo meio introspectivo.

O lugar de inspiração do disco é esse lugar da água, da fluidez, de Netuno, da libertação do emocional, do misticismo. E no meio do caminho fui conseguindo trazer pessoas especiais, como o Rasec e o Pipo Pegoraro pra ajudaram a deixar essa essa chuva mais bonita.

Quais são seus valores essenciais enquanto artista?
JuPat – Pra mim, a arte é uma liberdade de existir. E cada pessoa tem a sua própria busca do que é existir de uma forma verdadeiramente livre. A minha busca por liberdade, enquanto mulher trans, passa pelo confronto, pela resistência, pela transgressão, pelo direito de sair na rua, é mais um processo diário de libertação, de arrancar a liberdade na marra.

A música que sai de mim, vinda desse lugar, acaba carregando esse desejo quase sexual pela existência, mas cada ouvido escuta uma música diferente e eu me completo se ela ajudar alguém a tentar se desalgemar também.

O que está acontecendo de mais interessante na música hoje, na sua opinião?
JuPat – Pra mim, a figura mais impactante e inspiradora na música hoje é o Edgar (O Novíssimo Edgar), que tem uma poesia musical e visual que desarranja qualquer estrutura.

Eu vejo uma geração de vozes muito fortes representando a verdade de pessoas que sempre foram caladas, como Djonga, Don L, Baco Exu do Blues, Bivolt, Alt Niss, Tássia Reis, Rincon Sapiência, Flora Matos. A música preta do Fabriccio. O climão fossa e gozo da Letrux, que eu me identifico demais. Todos esses artistas, pra mim, estão representando formas únicas e lindas de existir.

Acha que as pessoas estão começando a lidar melhor com o fato de que muitas artistas trans estão surgindo e muitas outras ainda despontarão?
JuPat – Acho que a questão não é que as pessoas estão lidando melhor, elas estão sendo obrigadas a aceitar. Nenhum direito é cedido de graça, pra uma artista gravar uma música milhares foram violentadas e mortas. Acho que não dá pra falar em lidar melhor enquanto somos o país que mais mata travestis no mundo. Mas nós estamos ocupando e esse movimento é irreversível – e precisa ser na arte, nas universidades, no mercado, na política. Vão ter que aceitar, porque vamos continuar resistindo e ocupando.

Que outras artistas trans considera um modelo, inspiração?
JuPat – Todas me inspiram. Linn da Quebrada, Liniker, as Bahias e a Cozinha Mineira, Zek Andrade, Leandrinha Du Art, Danna Lisboa, Triz, Verciah, Mc Dellacroix, Mc Xuxu, Gloria Groove. Muito amor.

Artistas novos que você precisa ouvir agora

Mulamba
Souto MC
Gali
Brisa Flow
Ligiana Costa
Manu Saggioro
Luã Yvys
Amanda Magalhães
Marina Decourt
Xenia França
Luedji Luna
Letrux
Gloria Groove
ATTOOXXA
Muntchako
Anna Tréa
Bayo
Juyè
LALA é o nome da dupla de produção formada por Joana Cid e Naná Rizinni. Foto por Camila Svenson
Gali, antes conhecida como Camila Garófalo
Tássia Reis
Gloria Groove
Mariana Furquim
Tika
JuPat
niLL
Raffa Moreira
Ayrton Montarroyos
Raffa veste moletom FERNVNDX Clothing
Liniker
Xênia França
Xênia França
Mahmundi
Raffa Moreira
Tássia Reis
Ema Stoned
Ema Stoned
Ema Stoned
Luedji Luna
Mahal Pita
Gali por Maria Moreira
Luã Yvys
Luã Yvys

'Vejo geração de vozes muito fortes', diz rapper trans JuPat

Sem mais artigos