O Instagram anunciou nesta semana que irá remover hashtags que fazem menções contra vacinas como forma de reprimir notícias falsas e “desinformações relacionadas à saúde”.

Dentre as medidas de curto prazo que serão tomadas, a rede social retirará do ar conteúdos com as hashtags #vaccinescauseautism (vacina causa autismo, em inglês), #vaccinesarepoison (vacinas são venenos) e #vaccinescauseharm (vacinas causam danos).

Entretanto, funcionários do Instagram informaram que o processo deve demorar semanas até a remoção total de conteúdos relacionados ao tema.

As mudanças do Instagram acontecem pouco depois do Facebook anunciar, ainda no início deste mês, que limitará postagens de notícias falsas em grupos, feeds e páginas envolvendo vacinação. O YouTube também não recomenda vídeos sobre o tema a seus usuários.

Mitos e verdades sobre a vacina contra febre amarela

Verdade. Segundo indicações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a vacina pode demorar de 10 dias a seis semanas para efetivar a imunização. O prazo é avaliado rigorosamente para alguns países onde a vacina é exigida.

Mito. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma dose completa da vacina contra febre amarela é suficiente para toda vida. Isso significa que quem tomou a dose completa da imunização, não precisa “reforçar”
Segundo informações do Ministério da Saúde, crianças a partir de nove meses podem ser imunizadas sem risco. Em lugares de alto risco, bebês podem ser vacinados a partir dos seis meses
O Ministério da Saúde não indica a imunização para gestantes e mães que estejam amamentando, no entanto, caso a mulher esteja em local de alto risco, o caso deve ser reavaliado
Verdade. Existe a possibilidade de o vírus ser transmitido durante a amamentação. O Ministério da Saúde recomenda pausa na alimentação do bebê com o leite materno, caso a mãe tenha que ser imunizada. O leite pode ser retirado dos seios antes da vacinação e congelado por até 15 dias
A imunização pode causar efeitos adversos. Entre os mais comuns, estão dor de cabeça, dor no corpo, febre, pressão baixa, alergias na pele e alterações no sistema respiratório
A imunização não interfere na capacidade da mulher de engravidar, porém órgãos de saúde recomendam uma espera de 30 dias após a dose
Verdade. Portadores de doença autoimune, que portam HIV e estão em tratamento de quimioterapia estão na lista de risco do Ministério da Saúde, e não são aconselhadas a tomarem a vacina contra febre amarela
Verdade. A vacina não é indicada a pessoas com alergia grave ao ovo
Mito. A informação é falsa, segundo o Ministério da Saúde. A recomendação da Anvisa é o uso de roupas de manga longa e repelente, além da instalação de redes de proteção em janelas e portas, e eliminação de qualquer foco de mosquito
Mito. A dose fracionada da vacina contra febre amarela, segundo o Ministério da Saúde, tem a mesma eficácia que a dose única padrão. A proteção tem duração de oito anos. A OMS indica o uso da vacina fracionada quando há risco de surto de febre amarela em áreas urbanas
A recomendação é para que pessoas acima de 60 anos tenham os casos avaliados individualmente, para determinar se a imunização é segura
Segundo a Anvisa, a exigência internacional é pela dose padrão da vacina, portanto a imunização fracionada não é suficiente para emitir o certificado internacional de vacinação contra febre amarela.
Verdade. A vacinação é a única forma eficaz de prevenir a febre amarela
Mito. Segundo dados do Ministério da Saúde, pessoas que tomaram a dose completa da vacina contra febre amarela, não ficam mais protegidas se vacinadas novamente. O órgão não aconselha a pratica, mesmo durante surtos

Instagram bloqueará menções antivacinas para evitar notícias falsas

Sem mais artigos