A vida e obra de Billie Holiday, uma das mais importantes jazzistas da história, está retratada no documentário “Billie” que, após o lançamento internacional, estreou no Telecine nesta terça-feira (15). O trabalho conta com a participação da colorista Marina Amaral que trabalhou no tratamento das imagens.

Com entrevistas com amigos da infância de Billie, parentes, estrelas do Jazz e até agentes do FBI que prenderam artista que foi perseguida durante muito tempo pela polícia norte-americana. O registro traz um parâmetro da potência da artista, além de apontar diversas questões que a cantora apontava em suas músicas.

Colorindo fotos que antes nunca foram vistas com cores, Marina Amaral é uma das maiores coloristas de fotografias P&B. A artista coloriu digitalmente mais de 100 fotos que foram usadas no documentário, além de definir as cores que foram reproduzidas e aplicadas nos vídeos por um estúdio da Índia. Todo o processo demorou cerca de um ano e meio.

Em nota, Marina fala um pouco mais sobre o processo e destaca o momento que mais marcou durante a produção. “O detalhe que mais me emocionou foi a colorização do vídeo de uma apresentação ao vivo de Strange Fruit, uma música importantíssima do repertório dela. Fala de racismo, linchamento e Billie cantava com a alma. Essa apresentação é uma versão muito mais visceral que as versões em áudio que escutei. Fico impressionada até hoje quando vejo esse trecho”, afirma.

Sem mais artigos