A evolução das princesas da Disney

No primeiro longa da Disney, "Branca de Neve e os Sete Anões", já tem uma princesa: Branca de Neve, que dispensa apresentações | Créditos: Reprodução
Pura, ingênua e submissa, ela obedece à madastra perversa, até quando esta chega disfarçada de bruxa e lhe dá uma maçã envenenada | Créditos: Reprodução
Mas a jovem é salva pelo beijo de amor do Príncipe, com quem vive feliz para sempre - ou seja, ela viveu graças à atitude dele | Créditos: Reprodução
Treze anos depois, Disney trazia outra princesa: Cinderela, que assim como Branca de Neve, também era feita de faxineira pela cruel madastra - os pais das princesas adoram casar com mulheres más e logo depois morrer! | Créditos: Reprodução
Cinderela recebe ajuda da Fada Madrinha, que faz com que a moça vá deslumbrante ao baile da corte, onde ela vai encantar o Príncipe | Créditos: Reprodução
Novamente, a princesa só é feliz por ação do príncipe: ele vasculha a cidade inteira até encontrar sua amada, a dona do sapatinho de cristal | Créditos: Reprodução
Mais uma década se passou, e em 1959 Disney traz "A Bela Adormecida", com a princesa Aurora protagonizando - meio Branca de Neve, ela gosta de cantar e conversar com animais fofos | Créditos: Reprodução
Também como Branca, ela conhece o Príncipe Felipe enquanto canta | Créditos: Reprodução
E como Branca, ela é salva no final por Felipe, que dá-lhe um beijo, despertando-a do sono eterno a que ela fora condenada pela bruxa Malévola | Créditos: Reprodução
Trinta anos depois, a Disney voltava a investir nas princesas. Em "A Pequena Sereia" a representante é a ingênua e sonhadora sereia Ariel | Créditos: Reprodução
Que, bobinha, faz um pacto com a vilã Úrsula: dá sua bela voz para a horrorosa monstra, em troca de virar humana para conquistar o amado, o Príncipe Eric | Créditos: Reprodução
Depois de muitos lances folhetinescos, Ariel consegue conquistar Eric e desmanchar o noivado dele com Úrsula disfarçada. Aqui já surge uma diferença: Ariel luta desesperada por seu amor, não é apenas uma jovem passiva, sem iniciativa | Créditos: Reprodução
A princesa seguinte foi Bela, de "A Bela e a Fera". Já com bastante personalidade, Bela é rebelde e quase feminista | Créditos: Reprodução
Recusa-se a se casar com o fanfarrão Gaston, um machista que quer mulher para servir ao marido e dar filhos | Créditos: Reprodução
Ela acaba sendo mantida em cativeiro pela Fera, com quem desenvolve uma relação tumultuada | Créditos: Reprodução
A Bela age como uma mulher independente, nunca se dobrando aos caprichos da Fera - e assim os dois se apaixonam, e ao final ele volta à sua forma humana original | Créditos: Reprodução
A Jasmine de "Aladin" também é rebelde, e foge de seu palácio, insatisfeita com a vida burguesa | Créditos: Reprodução
A jovem vive sendo assediada por Jafar, mas nunca se submete ao detestável vilão | Créditos: Reprodução
Ao final, Jasmine consegue um final feliz ao lado de seu amado, Aladin | Créditos: Reprodução
A jovem indígena dá título ao filme "Pocahontas" | Créditos: Reprodução
A personagem não é uma simples princesa rica trancada num castelo - ela vive na natureza, e mostra-se muito ativa e guerreira | Créditos: Reprodução
Pocahontas luta pelo amor do inglês John Smith, com quem não tem um final definitivo | Créditos: Reprodução
Enfim chegamos a uma jovem ainda mais destemida: Fa Mulan, de "Mulan", que se disfarça de homem para lutar na guerra no lugar de seu pai | Créditos: Reprodução
Por essa atitude, Mulan é considerada por muitos como a melhor princesa da Disney | Créditos: Reprodução
Ao final, vitoriosa em seus objetivos como guerreira, Mulan ganha de brinde a admiração de Li Shang, seu amado | Créditos: Reprodução
Estrela de "A Princesa e o Sapo", Tiana é a primeira princesa negra da Disney. Humilde, sonha em abrir um restaurante | Créditos: Reprodução
Tiana passa por várias peripécias, como se transformar em rã ao lado do Príncipe Naveen, que vira sapo | Créditos: Reprodução
Ao final, Tiana volta à forma humana e tem um final feliz ao lado de Naveen | Créditos: Reprodução
E assim chegamos a Elsa, do megasucesso "Frozen". Princesa norueguesa, tem poderes mágicos e é capaz de criar gelo, geada e neve | Créditos: Reprodução
Elsa provoca muitos tumultos com seus poderes, envolvendo a irmã Anna e todo seu reino | Créditos: Reprodução
Em comparação com as primeiras princesas da Disney (Branca de Neve, Cinderela, Aurora), Elsa é bastante diferente: dona de personalidade forte, intempestiva, guerreira - como todas as mais recentes princesas da Disney | Créditos: Reprodução

O que seria do mundo sem as princesas da Disney? E quem nunca se inspirou nessas moçoilas românticas que lutam pelos seus objetivos?

Mas há quem diga que as princesas criadas pelos estúdios Disney são um péssimo exemplo. Afinal, elas são bobonas, vítimas dos vilões, incapazes de tomar atitudes. Nas histórias, na maioria das vezes são os príncipes quem tomam atitudes. Elas vivem esperando que os “príncipes cheguem em cavalos brancos para salva-las.

Mas esse tipo de princesa é coisa do passado. A Disney se modernizou e deixou para trás princesas frágeis como Branca de Neve e Cinderela. Atualmente as princesas são corajosas, intrépidas e capazes de ações espantosas.

De 1937 (quando surgiu Branca de Neve) a 2013 (com a Elsa de Frozen), passaram-se mais de 75 anos. Analisando todas as princesas da Disney no período, dá para perceber a mudança radical.

Confira na galeria acima a evolução das princesas e a história de todas.

Além disso, quer ver a evolução no figurino e na voz das princesas? Veja abaixo o vídeo da cantora e YouTuber Evynne Hollens

De donzelas a guerreiras! No Dia da Mulher, veja a evolução das princesas da Disney

Sem mais artigos
Sair da versão mobile