Bernardo Barreto nos bastidores de Epitah, com Alli Willow e Juliana Schalch

Amantes de um bom conteúdo da TV brasileira, nós logo ficamos com saudades quando não vemos mais um ator que fez uma série ou novela que nos marcou tantas vezes no ar novamente, não é mesmo?

Se isso acontece com você, certamente já se perguntou por onde anda Bernardo Barreto, ator que deu vida ao Cauã de Malhação, entre 2006 e 2007. Mas saiba que não é que ele sumiu… provavelmente você é que anda desatualizado sobre cinema e entretenimento.

Bernardo já fez mais de 20 filmes, entre curtas e longas, como o destacado “Paraísos Artificiais”, no qual vive o jovem Patrick, e o premiado “The Seeker”, de 2019, vencedor do Tallin Black Night Film Festival, um dos 12 mais importantes festivais de cinema do mundo.

Além de um exímio ator, Bernardo é também hoje um renomado cineasta e produtor. É dele, por exemplo, a assinatura do documentário “Cidade de Deus – 10 anos depois”, lançado mundialmente na Netflix.

Sempre atuante, Bernardo não ficou parado nesta pandemia e mergulhou em um projeto que se tornou inédito em sua longa carreira: a roteirização e atuação em um filme de terror.

Bernardo precisou de toda sua habilidade, sensibilidade e conhecimento para conseguir um elenco enxuto para “Epitaph”, gravado na pequena cidade de Bichinho (MG) durante quase 30 dias.

O terror psicológico é a temática do longa. Nele, a romântica Claire, vivida pela atriz franco-americana Alli Willow, aluga uma casa na floresta para passar a lua-de-mel com o marido Alex (Bernardo Barreto), de quem não conhece o passado.

Claire só não sabe que o local escolhido para os dias de romance é o mesmo onde a antiga namorada de Alex, Hazel, interpretada por Juliana Schalch, morreu há dez anos.

“O roteiro aconteceu de forma visceral e fluída, mas reunir um pequeno grande time, dirigir e atuar nesse filme de um gênero que é inédito para mim, foi um desafio seguido do outro”, contou Bernardo.

O ator e cineasta também falou sobre os problemas enfrentados pela equipe em plena pandemia, que teve de fazer uma pausa de quase 20 dias nas gravações após ter um integrante infectado pelo novo coronavírus.

“Fizemos uma quarentena de 20 dias em casa, mais 1 semana em locação para voltar a filmar com toda a equipe imunizada. Conseguimos concluir essa etapa, que agora segue em pós-produção”, concluiu Bernardo.

Bastidores de Epitaph, com Bernardo Barreto

Barreto Barreto Barreto Barreto Bernardo Barreto foi até parar no hospital devido ao stress ao fim das gravações Créditos: Divulgação

De Malhação para o mundo em época de pandemia: a trajetória de Bernardo Barreto

Sem mais artigos