O festival Pop Porn é uma das marcas da cultura underground de São Paulo. Inspirada na versão original que acontece em Berlim, a filial brasileira faz sua 4ª edição e abre na sexta (06), se estendendo pelo sábado (07) e domingo (08). Pelo segundo ano consecutivo, o Pop Porn acontece em esquema non-stop, a la Virada Cultural: são 48 horas ininterruptas de eventos.

O foco do festival é exibir filmes que usam o sexo como linguagem – não na chave pornográfica comum que se vê em DVDs e vídeos pornôs na internet, e sim com certa linguagem artística. Além dos filmes, o Pop Porn traz música, performances, debates, festas e demais manifestações.

Entre os destaques dos filmes, o longa documentário Cassandra Rios, a Safo de Perdizes, de Hanna Korich, faz um inventário da escritora brasileira lésbica e “maldita”. Já o curta Urano, de Daniel Nolasco, reflete sobre a estética dos filmes de Lars Von Trier.

No setor de workshops, destaque para Pornô Faça Você Mesmo, que terá versões hétero e gay. A versão gay é ministrada pelo pornógrafo J.J. Rodrigues, que convida o público: “Traga sua câmera para que juntos gravemos uma cena quente!” Outro workshop bafônico é o de fist-fucking exclusivo para mulheres. E ainda tem Como Trepar, Amar e Publicar um Livro Sobre, com o fotógrafo André Martins, que publicou o livro Flexões, contendo fotografias de pessoas nuas em diversas situações.

O Pop Porn foi parcialmente financiado através do Catarse, modelo de crowdfunding que anda em voga na internet. A abertura do festival acontece na noite de sexta (06), com coquetel, vernissage e performance do coletivo The Burlesque Takeover. Em seguida, Carlos Capslock & Mamba Negra comandam a discotecagem da festa. O Pop Porn acontece na Trackers, que fica na Rua Dom José de Barros, 337, no Centro de São Paulo. A programação completa está no site do festival.

Sem mais artigos