Treze anos depois da morte de Diana Frances Spencer, mais conhecida como Princesa Diana, os jornais ingleses começaram a comentar duas supostas produções de cinebiografias da plebeia que casou-se com o príncipe Charles, sucessor direto do trono do Reino Unido, do Canadá, da Austrália, da Nova Zelândia e de outros doze países da Commonwealth.

A primeira delas estaria sendo realizada pela produtora europeia Pathé Films, e contaria com um elenco estrelado. O papel principal seria de Keira Knightley (Piratas do Caribe), enquanto a mãe de Diana, Frances Shand Kydd, seria interpretada por Helen Mirren (RED). Scarlett Johansson (Homem de Ferro 2) também estaria cotada para o papel de protagonista.

Porém, apenas um dia depois dos boatos surgirem no Daily Mail, foram desmentidos por um porta-voz da Pathé, que chamou a reportagem de “pura fofoca dos jornais”.

A segunda produção, que ainda não foi desmentida pelos supostos responsáveis, estaria sob a responsabilidade de Stephan Evans (Confissões de Uma Mente Perigosa) e parece muito mais possível do que o outro filme. Quem garante é o próprio produtor:

“Nós queremos fazer um autêntico filme de Diana usando as vozes das pessoas que estavam lá”, comentou Evans, em referência ao livro Diana: Closely Guarded Secret, escrito por seu guarda-costas, Ken Wharfe, e que serviria de base para o roteiro. “Ken estava lá, bem ao lado dela, no momento mais significante de toda a sua vida.”

Segundo o Mail, o filme teria um orçamento de US$ 30 milhões e contaria com Charlize Theron (Uma Saída de Mestre) e Ewan McGregor (Trainspotting) nos papeis de Diana e Charles, respectivamente. Nenhuma das informações adicionais foi confirmada até o momento.

Diana morreu em 31 de agosto de 1997 em um terrível acidente de trânsito no Tunel Ponte de L’Alma, em Paris. Na ocasião, Lady Di estava no carro com seu namorado Dodi Al-Fayed e o motorista Henri Paul, que bateu o carro enquanto tentava despistar um grupo de sete paparazzi.

Sem mais artigos