Murphy (esq.) e Peña (dir.), os ex-agentes do DEA que inspiraram os personagens da série Narcos

Reprodução Murphy (esq.) e Peña (dir.), os ex-agentes do DEA que inspiraram os personagens da série Narcos

Os agentes Murphy e Pena da série Narcos na vida real falaram sobre o ódio cultivado por anos contra o narcotraficante colombiano, após mais de 25 anos desde a captura de Pablo Escobar. Segundo entrevista de Steve Murphy e Javier Peña dada ao The Mirror, o sentimento em relação a Escobar não desapareceu com o passar dos anos. Murphy e Peña eram parte do Drug Enforcement Administration (DEA) nos Estados Unidos na época da operação contra o narcotráfico na Colômbia. Eles serviram como inspiração para a série Narcos, uma das mais populares na Netflix

Aposentados, eles contaram que a incerteza de que sobreviveriam à operação era constante. “Eu vou dizer que nós estávamos com medo frequentemente. Saímos em várias operações com oficiais da polícia nacional, era assustador”, disse Murphy, 61 anos, e morador de Washington DC. “As armas deles eram muito mais avançadas do que as nossas” continuou. Escobar foi responsável pela more de mais de 600 policiais.

“Foi uma busca longa e violenta. Muitas pessoas inocentes morreram”, disse Peña.  Segundo o agente, Escobar foi o criador do narcoterrorismo. No final das contas, Murphy disse que todos estavam felizes pela caça e luta contra Escobar ter chegado ao fim, e que os moradores da Colômbia teriam paz e segurança novamente, mas os oficiais esperaram retaliações na noite após a morte do chefe do narcotráfico.

Pablo Escobar foi responsável pela morte de cerca de 15 mil pessoas durante ataques que duraram mais de 10 anos. Ao longo de uma década, Escobar construiu um império, o maior do narcotráfico no mundo, com movimentação de mais de R$ 25 milhões por dia.

Sem mais artigos