O diretor de cinema Oliver Stone, que está no festival de
Karlovy Vary, em Praga, República Tcheca, para receber um prêmio, disse nesta
quinta-feira (4) que Edward Snowden, ex-técnico da CIA procurado pelos EUA após
divulgar informações da inteligência americana, é um “herói”.

“Snowden é um herói pela revelação de segredos que nos
dizem respeito e que demonstram que o artigo Quarto da Constituição (dos EUA)
está sendo violado desde 2003”, disse em entrevista coletiva. O artigo da
Constituição americana assegura o direito dos cidadãos à segurança em relação à
pessoa, casa, documentos e objetos pessoais, contra qualquer tipo de busca ou
confisco injustificados.

O diretor lamentou que Barack Obama não seja “o homem
reformador destas injustiças”. O antigo colaborador da CIA, continuou
Stone, “não tem onde se esconder e isto deveria nos fazer
pensar”. O diretor de
Platoon, que receberá amanhã, na festa de encerramento do festival, o Globo de
Cristal por sua contribuição para o cinema mundial, disse ainda que “é preciso dar asilo a Snowden”. 

Snowden é acusado de espionagem por Washington por haver
denunciado a dois jornais a vigilância realizada pela agência de inteligência
americana NSA nos registros telefônicos e dados de internet de milhões de
cidadãos suspeitos de terrorismo. O diretor compartilhou no festival tcheco sua
tese de que “o mundo será mais seguro se for multipolarizado”.

“Precisamos de países fortes: Brasil, Turquia, Egito,
China, Rússia, Irã e Venezuela fortes”, afirmou, frente ao que definiu
como a “dominação indiscutível” de seu país. Também considerou que os
últimos 70 anos dos EUA foram “uma história de paranoia pela expansão
mundial do comunismo”, o que, a seus olhos, desencadeou a Guerra Fria.

Sem mais artigos