Christopher Nolan anunciou seu próximo filme. E não tem nada a ver com o estilo “épico existencialista profundo dark trágico” de seus maiores sucessos (Amnésia, A Origem, Interestelar e os filmes do Batman).

Christopher Nolan pode trocar de herói em brevereproducao

Segundo o site Digital Spy, o novo projeto é um curta-metragem batizado de Quay, e vai focalizar o cotidiano (é um documentário) de uma dupla de animadores de stop motion: Stephen Quay e Timothy Quay, irmãos que comandam um estúdio de animação.

O curta de Nolan será exibido juntamente com três curtas dos Quays – Street of Crocodiles (1986), The Comb (1991) e In Absentia (2000) – durante o Film Forum de Nova York, em 19 de agosto.

Mas, depois desse projeto relâmpago, Nolan deve retornar aos longas blockbusters. Vamos aguardar…

Tubarão, o primeiro blockbuster da história

Tubarão inaugurou a estratégia de estrear filmes na temporada do verão americano. Logo criou-se o termo
Embora adaptado de um livro de Peter Benchley, Tubarão tem inegavelmente a cara de seu diretor, Steven Spielberg. O cineasta tornou-se o grande criador de blockbusters
Outra inovação de Tubarão que continua até hoje: em abril de 75, dois meses antes da estreia, a Universal lançou a maior campanha já vista para um filme, colocando anúncios de 30 segundos na TV, nos intervalos de 23 séries, como Os Waltons e Happy Days. Jurassic World seguiu essa cartilha, e em fevereiro teve um anúncio bombástico no intervalo do Super Bowl
Tubarão coletou, para a época, números impressionantes de bilheteria. Nos primeiros três dias arrecadou US$7 milhões, pulando para US$14 milhões ao fim da primeira semana. Em dois meses tinha feito US$100 milhões - e tinha custado US$7 milhões para ser feito
Claro que esses números são ridículos perto do atual Jurassic World - a maior bilheteria de todos os tempos, com US$500 milhões no mundo apenas no fim de semana de estreia. Em tempo: assim como Tubarão, Jurassic World também pertence à Universal
Tubarão apresentou ainda outro
Esse tipo de ação marketeira já acontecia antes em Hollywood em casos isolados, em menor escala. Mas com Tubarão tornou-se obrigatória, e a partir dali todos os blockbusters de Spielberg, Lucas, James Cameron, Michael Bay e afins passaram a seguir esse padrão
Outra marca de Tubarão: o protagonista é na verdade um ser da natureza, um monstro, uma criatura - em duelo ou em relação com os humanos. Essa seria uma grande marca de Spielberg em seus blockbusters
Os alienígenas em E.T. e Contatos Imediatos de Terceiro Grau; os dinossauros em Jurassic Park; o cavalo em Cavalo de Guerra, e assim por diante, chegando até os dinos do atual Jurassic World, legítimo herdeiro de Spielberg
Por fim, podemos ver a estrutura de Tubarão: um filme onde o suspense se apoia na possibilidade do peixe gigante aparecer para atacar os humanos. Esse esquema foi fartamente imitado e reproduzido em dezenas de filmes, incluindo Jurassic Park em 93 e o novo Jurassic World, onde novamente ficamos em suspense, temendo / desejando a aparição dos dinos
É claro que o clima de Tubarão é completamente outro, e não existem efeitos mirabolantes - o filme é quase rudimentar. Hoje, com as possibilidades tecnológicas, tudo tornou-se possível no cinema - o que banalizou os blockbusters de ação, gerando críticas à falta de conteúdo dos filmes
Assim, o verdadeiro monstro criado por Spielberg em 75 não foi o tubarão, e sim o próprio conceito de blockbuster. Mas essa é uma discussão que fica para depois!...

Próximo filme de Christopher Nolan é um curta-documentário sobre animadores stop motion

Sem mais artigos