O ator Selton Mello conversou com a imprensa sobre Troy Somerset, seu personagem em Reis e Ratos, filme dirigido por Mauro Lima, na última semana. Troy é um agente da inteligência dos Estados Unidos infiltrado em um Brasil as vésperas do golpe militar de 1964 e reportava à agencia tudo que se passava no país.

O Virgula assistiu ao longa e a associação de Troy Somerset aos personagens Fucker and Sucker, do adormecido Casseta e Planeta, da TV Globo, é inegável, principalmente aos espectadores mais novos. Entretanto, é o que ator menos deseja: “Eu não brinquei de Fucker and Sucker. Faço um americano falastrão que não quer, de jeito nenhum, voltar para seu país. O que talvez tenha ajudado a essa associação foi o fato de ter sido dublador por cerca de dez anos. Então tenho facilidade para fazer essa voz com sotaque”, afirmou brincando.

 

Segundo Selton ele tentou incorporar detalhes dos atores do cinema americano dos anos 40. “Busquei referências no cinema dos anos 40. Tem a forma de olhar, que é quase sem olho, bem fechado, e com rugas na testa, que o Bruce Willis faz muito hoje em dia. Tem a inclinação do corpo, a forma de falar e o cigarro, que se fumava muito. Era aquela época que a industria do tabaco investia muito no cinema”.

No roteiro, o diretor Mauro Lima brinca muito com os jargões usados costumeiramente nos filmes americanos. “Foi muito divertido usar os americanos com seus próprios clichês no filme”, explica.

Reis e Ratos tem estréia em circuito nacional prevista para 17 de fevereiro e traz no elenco Otávio Müller, Cauã Reymond, Rodrigo Santoro, Marcelo Adnet, Rafaela Mandelli, Paula Burlamaqui e Seu Jorge, entre outros. 

Sem mais artigos