A Warner Bros. Pictures apresentou fotos inéditas de Selton Mello, protagonista de Reis e Ratos. Ele vive Troy Somerset, um cômico agente da CIA enviado para uma missão especial e que acaba se apaixonando pelo Brasil. No decorrer da trama, Troy cria planos mirabolantes, sempre ao lado de seu fiel escudeiro Major Esdras (Otávio Muller), para que sua missão não acabe e ele possa ficar para sempre desfrutando dos encantos do nosso país.

Com estreia prevista para 17 de fevereiro, Reis e Ratos é dirigido por Mauro Lima (Meu Nome Não é Johnny) e tem no elenco nomes como Rodrigo Santoro, Cauã Reymond e Seu Jorge. A música tema foi composta por Caetano Veloso especialmente para o filme.

Reis e Ratos cria uma narrativa obscura e delirante ocorrida numa certa “antessala” dentro do cenário golpista. Tudo é contado pelo ponto-de-vista de um grupo de personagens. Todos são parte integrante ou, de algum modo, ligados à conspiração golpista. São eles: um agente da CIA locado no Rio de Janeiro (Selton Mello), um vigarista, ex-cafetão e viciado em anfetaminas (Rodrigo Santoro), um locutor de rádio (Cauã Reymond), uma crooner de boate (Rafaela Mandelli), um Major da Aeronáutica (Otávio Muller).

Leia um trecho da cena inicial:

Estado do Rio de Janeiro, 1963. Um coreto no centro de um pequeno município explode no exato momento da abertura de uma gincana local. O alvo do atentado é uma cantora de boate, cuja presença é uma das tarefas da efeméride anual. A mulher, porém, escapa ilesa. Pouco antes do coreto ir pelos ares, ela escuta no rádio do automóvel uma estranha transmissão; o  locutor, em transe, revela o plano que pretendia vitimar a ela própria. Esta é a cena inicial de Reis e Ratos. A partir daí o filme conta, através de uma narrativa em flash-back, uma espécie de parábola suja da Guerra Fria. A trama e suas situações conduzem o espectador por entre a atmosfera conspiratória das vésperas do golpe militar de 1964 e seus ecos, nas ruas da cidade e nos corredores da Embaixada Americana.

Sem mais artigos