O segundo filme da lendária saga da Pantera Cor-de-Rosa e um dos mais populares, Um Tiro no Escuro, protagonizado pelo ator Peter Sellers na pele do enrolado e delirante inspetor Jacques Clouseau, está completando meio século.


A série, tempos depois, daria origem ao popular desenho animado A Pantera Cor-de-Rosa, acompanhado pela irresistível trilha sonora composta por Henry Mancini.

Curiosamente, Um Tiro no Escuro, que estreou em 20 de março de 1964 e é considerado um dos melhores filmes da série, foi um dos poucos em que o elegante e silencioso felino não aparecia nos títulos, o que se tornaria em uma de seus marcas.

O longa contava com os outros dois elementos-chave das comédias: a direção de Blake Edwards e a interpretação de Peter Sellers no papel do inepto Clouseau, que só descobrirá o autor do assassinato após várias situações absurdas e quase por acaso.

O filme estreou apenas alguns meses depois do nascimento da saga The Pink Panther, lançada em 1963, e que se transformou imediatamente em um grande sucesso.

A Pantera Cor-de-Rosa do título faz referência a um estranho e valioso diamante, cujo brilho mostra a figura do felino.

Em 1964, o autor e diretor Fritz Freleng obteve permissão do estúdio United Artist para produzir um curta de animação The Pink Phink que obteve o Oscar na categoria no mesmo ano.

O desenho animado foi desenhado pelos estúdios DePatie-Freleng, e com a popularidade recebida, em 1969 se lançou como série de televisão por direito próprio destinada ao público infantil, The Pink Panther Show, no canal NBC, cujas emissões duraram até 1980.

Com o tempo, os personagens se transformaram em uma franquia de resultados diferentes em suas 11 diferentes produções desde então, até 2013.

A terceira, Inspetor Clouseau, de 1968, aconteceu, no entanto, sem que Edwards ou Sellers participasse, já que tiveram várias tensões na filmagem anterior e se negaram a se envolver no projeto.

Sem mais artigos