William Waack

TV Globo/Divulgação William Waack

O jornalista William Waack, âncora do Jornal da Globo, teve um vídeo comprometedor vazado na web. O profissional solta um discurso racista durante uma conversa nos bastidores de uma entrada direto de Washington, capital dos Estados Unidos. Não há precisão sobre a data do ocorrido.

“Tá buzinando por quê, seu merda do cacete? Não vou nem falar, porque eu sei quem é… é preto. É coisa de preto”, diz ele ao ouvir um barulho na área externa do estúdio.

O vídeo foi compartilhado diversas vezes nas redes sociais e provocou imensa revolta nos internautas, que pediram a demissão do profissional. A rede Globo ainda não se manifestou sobre o ocorrido.

Outras polêmicas
No ano passado, o site Notícias da TV informou que Waack, em reunião com editores da Globo, revelou que foi o pivô da saída de Christiane Pelajo do Jornal da Globo. Na época, para renovar contrato, ele teria exigido que houvesse uma mudança no formato do telejornal, permitindo apenas ele como apresentador. A jornalista foi parar nas tardes da Globo News.

Também em 2016, Waack foi acusado de tratar mal e com antipatia a cantora Anitta nos estúdios da Globo na abertura das Olimpíadas Rio 2016. Ele também deu sinais de tensão com a sua companheira na cobertura, Cris Dias.

Cris Dias e William Waack

Reprodução Cris Dias e William Waack

Mais atrás, o global virou meme na web depois de chamar a repórter Zelda Mello de Zelda Merda. Ele pediu desculpas pelo engano.

Veja reações dos internautas na web:

Personalidades negras que servem de inspiração na luta contra o racismo

O ator é uma brisa de diversidade racial no universo homogêneo da televisão.
O mesmo podemos dizer de Tais Araujo, esposa de Lázaro e líder de diversos movimentos de empoderamento feminino e racial na mídia.
Com letras e declarações, o rapper do Grajaú ganhou o grande público e é orgulho para a comunidade negra.
Acadêmica e feminista, Djamila fez parte da comissão de direitos humanos do ex-prefeito Fernando Haddad em São Paulo e é referência do feminismo negro.
Eliane é esposa de Mano Brown e líder da produtora Boggie Naipe, que cuida da carreira solo do marido e dos Racionais.
Mano Brown
Com o Metá Metá e a carreira solo, Juçara é uma das responsáveis por elucidar o público sobre as tradições e raízes das religiões de matriz africana.
Jonathan vive Sabiá em 'A Força do Querer' e óbvio, já foi vítima de racismo. O que não o impediu de seguir em frente com seu trabalho dentro e fora da TV.
Karol Conka ganhou a mídia com autoestima e afirmação
O rapper, criado pela mãe, tem história de vida semelhante a de muitos negros das periferias brasileiras. Retratando essa realidade nos discos, ele serve de referência.
A cantora é outra que ajuda a cultivar e divulgar o respeito pelas religiões de matriz africana com suas músicas.
A funkeira derruba os padrões diariamente para demonstrar que a mulher negra pode, sim, ocupar um espaço relevante.
A jovem adolescente impressiona com sua lucidez sobre temas como racismo e feminismo, empoderando os colegas e inspirando jovens negros.
O goleiro foi alvo de racismo no estádio do Grêmio, em Porto Alegre, em 2014 e não se calou. Ficou revoltado e fez questão de deixar isso claro, não aceitando o perdão dos responsáveis pelos atos criminosos e exigindo punições. Hoje, virou um símbolo da batalha contra racistas no futebol.

William Waack faz comentário racista em vídeo vazado e internautas se revoltam

Sem mais artigos